Todo dia um 7x1: a educação perdeu para o descaso

September 4, 2018

Mestre em Geografia - UFRJ

Professor de Geografia do Ensino Básico

 

Toda ação educativa de Estado está diretamente atrelada a um projeto político educativo maior, pois, as ações estatais são agentes diretos nas mudanças estruturais ou na perpetuação e a reprodução da desigualdade. O incêndio do Museu Nacional é fruto de anos de descaso com a pesquisa, com a ciência e com a educação brasileira. Perdemos feio para o descaso e tomamos mais uma goleada ao visionar um futuro em que o conhecimento acadêmico volta para os feudos da academia, aumentando o abismo intelectual entre sociedade, alunado e catedráticos.

De acordo com o slogan “ciência para todos” os países vinculados à Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciências e Cultura (UNESCO) encarregaram-se de um compromisso supranacional de democratizar o acesso à educação e o contato com a ciência. Essa meta está diretamente atrelada a difusão de museus, como ambientes do ensino e aprendizagem compreendendo que o processo de ensino e aprendizagem transborda o espaço definido e delimitado por uma escola.

Portanto, um museu tem papel fundamental na construção de uma sociedade ao: aproximar e popularizar conhecimentos julgados como acadêmicos e científicos; costurar vínculos científicos e afetivos entre as pessoas, seu passado, presente e na construção de seu futuro; além de ser uma agente na fundação de indivíduos críticos (ao expor a ciência e seus temas mais polêmicos).

Constantemente somos alertados para o fantasma do analfabetismo. Porém, o analfabetismo é muito mais que compreender o que se ler e saber juntar letras, palavras e orações de forma coerente. A noção de analfabetismo pode e deve ser ampliada mais explorada, afinal, há um analfabetismo científico, isto é, a capacidade intelectual de um indivíduo desenvolve de compreender o papel das ciências e da matemática no seu cotidiano.

Dessa forma, não nos basta - enquanto sociedade que se propõe ser mais justa - que uma pessoa aprenda apenas a escrever o próprio nome, se ela não é capaz de elaborar um entendimento claro e coerente do mundo que o cerca, baseado em fundamentos e lógicas científicas. Como nos apresenta Moema de Rezende Vergara e Sibele Cazelli os museus têm papel singular na promoção de aprendizagem ao longo da vida (pois é de acesso irrestrito, possibilitando a visita daqueles que já concluíram a escolarização); permitem mais proximidade e sensibilização para os temas científicos e controversos; e contribuem no desenvolvimento profissional de professores.

Sem o Museu Nacional, um dos poucos no país de fácil acesso às populações mais pobres – vide o preço acessível e localização na Zona Norte da Cidade, ao lado da estação do trem - eu vislumbro um Brasil com maior analfabetismo científico!

 

Please reload

Nossos posts recentes

Esfera pública e a opinião pública: política se faz nas ruas (e nas redes)

June 24, 2020

Professor Associado do Departamento de Geografia da UFRJ 
Coordenador do Programa de Pós-Graduação em Geografia - PPGG/UFRJ

No domingo 19 de abril de 2...

Paisagem e Política, uma discussão necessária

April 21, 2020

Doutor em Geografia - USP

Professor Adjunto da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro

A velocidade do crescimento asiático e, em particular, do ch...

A China e a Beltand Road Iniciative: um desenho geopolítico pouco convencional

February 13, 2020

1/2
Please reload

Tags

Av. Athos da Silveira Ramos - Cidade Universitária, Rio de Janeiro - RJ, Brasil

©2018 BY OBSERVATÓRIO DE GEOGRAFIA POLÍTICA. PROUDLY CREATED WITH WIX.COM